Braquetes Auto-Ligados: Evolução, Prescrições E Efetividade Clínica: Revisão De Literatura

Título: BRAQUETES AUTO-LIGADOS: EVOLUÇÃO, PRESCRIÇÕES E EFETIVIDADE CLÍNICA: REVISÃO DE LITERATURA
Data: 2007
Autor: Thaisa Didini Coelho Ferreira
Orientador: Profª. Dra. Dione do Vale
Coorientador:
Resumo: Revisão da literatura, com finalidade de mostrar a eficácia clínica dos braquetes auto-ligados no tratamento ortodôntico, em confronto com braquetes convencionais. Foram indicados os fatores que influenciam na resistência ao atrito entre braquetes convencionais/auto-ligados e arcos em geral, apresentados os benefícios e as limitações entre braquetes convencionais e auto-ligados e discutida a eficiência mecânica dos braquetes auto-ligados atuais. Observou-se que os fatores que influenciam na resistência ao atrito foram: tipo de ligadura, tipo de liga do arco, secção do arco, desenho do braquete (ativo/passivo) e angulação dos braquetes. Concluiu-se que, devido à diminuição na resistência ao atrito observada nos braquetes auto-ligados, a mecânica ortodôntica com o sistema auto-ligado parece favorecer uma mecânica mais fisiológica, entretanto deve-se levar em consideração que, à medida que a angulação do braquete e a secção do arco aumentam, o atrito também aumenta, para todos os braquetes auto-ligados pesquisados. A ausência de ligaduras para amarração do arco, preservação da ancoragem, expansão da maxila, redução no tempo de cadeira e tempo de tratamento são alguns benefícios encontrados com o uso dos braquetes auto-ligados, enquanto que o descolamento excessivo dos braquetes, a dificuldade para íntima expressão de torque e custo elevado limita a escolha do sistema. Com relação à eficiência mecânica, os braquetes auto-ligados atuais se mostram efetivos e podem substituir mecânicas convencionais com sucesso, desde que, sejam respeitados os protocolos de uso, especificados por cada fabricante.